Contos de uma saudade nocturna


Era a febre dos anos 80 que agora tanto se revive e se quer recuperar à força, era a época em que se subia e descia o elevador da Glória a caminho das noites que abriam as portas à novidade, ao desejo, ao encontro de novos mundos que agora me piscavam o olho em forma de convite libidinoso…

Os encontros nas esplanadas antes da Subida ao mundo que lá em cima nos fascinava, fazia a testosterona ficar mais activa… mais desperta.
Era a curiosidade que nunca matou o gato, mas que nos transformava em pardos, eram as modas que pontuavam na sua originalidade, eram as roupas e os aromas… as armas dos felinos. A dança era ao som de muito ritmo….Erasure, Donna Summer, Communards, os Snap, e claro os Technotronic que nos rebentavam no cérebro que ordenava o movimento dos corpos suados das 6 da manhã.

Contava-se o dinheiro e rezava-se que o porteiro não nos desse uma senha que nos levaria toda a mesada, era a moda de nos colarmos a alguém influente que lambia as botas aos grandes Senhores que guardavam as portas dos Templos e que decidiam quem e quem não tinha direito de aceder ao mundo maravilhoso do som, da luz e da moda do momento.


A importância de um Ser era medida pela sua capacidade de entrar nos locais sem pagar e ser tratado dignamente pelo porteiro.

Á entrada o nosso corpo já dava sinais de se querer soltar e juntar-se ao ritmo que tocava bem alto ao fundo do corredor, eram agora os cumprimentos habituais, sorrir à porteira, abraçar os amigos que tinham prometido “mentirosamente” ficar em casa e rir, rir muito que era o aperitivo que acompanhava com os Bacardi Cola.

Aos dias de semana era contar as horas e às 2.30 da manhã, correr, correr o bastante para apanhar o último comboio que saía às 02.40 e que nos interrompia o sonho da descoberta, e que nos adiava a conversa desejada para o dia seguinte.

Ahh mas o fim-de-semana seria bem diferente, não havia nada nem ninguém que nos talhasse um outro destino, a porta seria fechada por nós e quando as luzes se acendessem para abafar todo o brilho das produções caseiras que elaborávamos tão bem então era o momento das viagens de Táxi às 5 da manhã de um lado para o outro porque o after hours ia começar do outro lado da cidade, mas antes um caldo verde para aguentar a pedalada, e quando o cansaço dava sinais de si, nada melhor que o sofá do privée para recuperar as forças, afinal eram apenas sete da manhã e só se dançava freneticamente desde a uma.

O regresso a casa era feito de óculos escuros e esperar que o dia acabasse depressinha, porque na verdade éramos os verdadeiros Seres nocturnos que venerávamos a Lua e toda a constelação celeste desde que fosse ao som de um ritmo de nos fazer “Get Up

28 comentários:

Tita - Uma mulher, Um blog, algumas palavras disse...

Adorei este post..e.mocionei-me...chorei
Foi bom ler-te, foi bom recordar

beijos e obrigada Mochito

papoilasaltitante disse...

Pois é por cá começava a noite logo à meia noite!!! Tinhamos por cá a Maior Discoteca do país não sei se te lembras... a SUNSET... pertença do pai de dois dos elementos da banda The Gift entre outros sócios. Ia-se para a discoteca às 11.00 e vinha-se manhãzinha...
Como me revi neste teu post!!! E a banda sonora que o acompanha!
Estive a abanar o capacete...Foi bom recordar foi sim senhor!
Bjs

adesenhar disse...

O truque para os porteiros abrirem as portas e não mostrarem o cartão amarelo!
Era simples, bastava que à saida nos lembrassemos dele e bastava um aperto de mão com a senha (traduzida em escudos), para ter boa memória para o dia seguinte.Era assim no Ad-libe(não sei se está bem escrito), e nos Stones era eficaz, mais tarde era o Bananas e depois um saltinho a Cascais. Bons tempos Mocho ...Jogar umas setas e abanar o K7 até de madrugada.
:)

dakidali disse...

Nostalgia? Saudades? Ó Mocho. As noites estão aí. Os sítios são outros, as músicas são outras,temos que acompanhar a evolução das coisas, mas o espírito, esse é o mesmo. Toca a sair, toca a abanar o capacete.Toca a correr para o combóio.
Beijinhos

th disse...

eheheh...eu nessa altura andava talvez pelos mesmos sítios, até trabalhei num ou outro e ia a todos...lol, já mulher quarentona, acabada de divorciar e recuperar-me para mim mesma, para a noite, para a vida! e acompanhei-te nesta noitada de tal maneira que estou cansada, vou dormir, beijinho, th
PS.: conheces o meu blog refilão?

wind disse...

O que me fizeste lembrar:) Bons velhos tempos:) Confesso que agora já não tinha pedalada para isso. Éramos mesmo loucos.lol. Beijos

Kalinka disse...

Oh Mocho
Esta excelente e movimentada musica até levanta um morto do túmulo...mas que ritmo!!! Boa! Boa!
Gostei de ler a tua reportagem de outros tempos, mas...como escreveu o dakidali, as noites estão aí, os sítios são outros, as músicas tb são outras, embora de quando em vez ainda se oiçam algumas desse tempo...nada de nostalgias, haja saúde e é sempre prá frente, abanar o k7...ai, se eu estivesse em condições de sair de casa, logo te dizia até onde ia...!!!
Olha, que a Ferrari já não pontuava há quase 1 ano e meio, andava por baixo, mas...hoje, akilo é que foi, uma luta renhida durante 30 voltas até ao fim, entre ele e o Alonso e, ELE venceu
Beijokas.

Alien8 disse...

Um hino à noite. Da noite gosto, de discotecas nem por isso. Sou mais dos bares com música ao vivo e conversa fiada até as horas ficarem esquecidas e o corpo dormente, e venha daí mais um cafezinho, e uma tosta mista e já agora outro cafezinho, que ainda a noite é uma criança.
Um abraço, boa semana, bom 25 de Abril!

PiresF disse...

Bem… fico-me com as recordações, também para mim esses dias de loucura já lá vão.
Um abraço.

Paola disse...

Epa!!!!

Parei para pular um pouquinho naqueles passos ritimados, lembra, faziamos filas enormes em todo salão, era a verdadeira festa.........


Mocho muito interessante tudo....

Acabo de postar mais uma aventura da nossa grande amiga Julia....

Te aguardo

Paola

beijocas

Pitucha disse...

Tudo passa! Mas é sempre bom recordar...com um sorriso nos lábio!
Beijos

Maria disse...

Bem que o elevador da gloria podia estar a funcionar no sabado á noite, não tinha que subir aquilo tudo a pé.
Beijokitas e bom feriado

Ulysses disse...

Belos caminhos e passagens.

Marco Ferreira disse...

Ao ler este teu post fui assaltado pelas recordações dos tempos das noitadas. Ah, que saudades. Enfim .... outros tempos.

marinheiroaguadoce a navegar

Anamargens disse...

Aqui está outra camarada já ficando velha - noitadas são só recordações. Hoje, é mais "caminha e sossega", entre a uma e as duas...
Mas é bom lembrar o que nos fez felizes alguma vez...

Sara MM disse...

EH!EH
Era mais ou menos isso, era... mas para mim, Get Up foi no 7º ano da escolinha... qd ainda não apanhava taxis às 5 da manhã... ainda só ía a pé para casa às 7h da manhã! LLLLLLLLLOOOOOOOOOL (no alentjeo, of course!)

Bjss

A.J.Faria disse...

Olá, Mocho!
A vida também é feita de recordações.
Um abraço,

Catarina Pati disse...

Oh Mocho,
Isso é coisa que se faça a uma pobre Minhota?! Essa descrição da noite contrasta com a pequenez da minha vida nessa altura :(
Agora não sei se a minha vidinha monotona era pelo facto de ser rapariga e as raparigas dos anos oitenta não tinham a liberdade que tem as de hoje ou pelo facto de morar là naqueles confins do Minho assombrado por solares, senhoras velhas e gatos tão velhos como as donas (levando em conta a tabela de idade do gato :):))
Bjtos

Caracolinha disse...

Meu querido amigo .. sabes como te amo profundamente ... sabes cada uma das nossas empatias, cada um dos nossos olhares, cada um dos nossos silêncios, cada um dos nossos segredos, das nossas cumplicidades ... sabes que rimos tanto ao ponto de chorármos, sabes o que já vivemos ...

Sabes que somos capazes de trocar comentários até mais não que nos fazem delirar e quase cair para o lado de tanto rir ... sabes isso tudo não é ????

Sabes quantas vezes já aqui vim ler este post ????

Nem sei já confesso-te ... e pensar que não nos conheciamos nos anos 80 ... quando tocava est música ... longe estava eu aqui de pensar que ainda estava para conhecer um dos meus melhores amigos de sempre ... podia ter sido eu a escrever cada uma destas palavras ...

Amo-te querido, amo a sensibilidade em que enrrolas cada uma das palavras ... amo-te, amo-te muito amigo !!!!

Sabes, chorei, mas chorei tanto, com o comentário que fizeste no blog da vespinha ... tu és uma pessoa especial, és um dador, porque tu, também pões em prática todos os dias os valores que neste dia se celebram ... homenageio-te por isso, aqui, no teu cantinho, que, por ser teu, é como se fosse a minha própria casca ...

A
M
O
-
T
E

A
M
I
G
O

SEMPRE !!!!

Um beijo encaracolado no grande amor que te tenho e vermelho, da cor dos cravos das portas que Abril abriu ... :))))

Eva Shanti disse...

Mocho lindo,

Ainda tenho tudo isso que descreves, embora em doses mais doseadas (permite-me o pleonasmo). Digo-te que a alegria é a mesma, a inocência é que não.

A música? Misturam-se ritmos novos com os saudosos anos 80...

Bjs

Isabel Magalhães disse...

gostei de recordar...




eu subia meia calçada da glória, ao volante do mini, para estacionar no largo da oliveirinha, cuidadosamente atrás do elevador que subia da praça dos restauradores, antes que se cruzasse com o que descia de são pedro de alcântara.

era a minha aventura matinal... quando trabalhava no palácio foz.

deixo-te uma beijoca por me teres feito lembrar essa 'subida da adrenalina'! :)))

oalcoviteiro disse...

hum, imvocativo e bonito. um abraço,

Kalinka disse...

OLÁ MOCHO FALANTE
Também fui desafiada a falar sobre uma ONG. Gostava que fosses ao meu kalinka para ver o artigo que escolhi, o problema é que está escrito em 3 posts. O 1º, por problemas da net, nessa noite, cortou-me o texto ao meio e lá tive que fazer uma 2ª parte como continuação da 1ª parte. Depois decidi espreitar o site e tive que voltar a postar, para que as pessoas que passarem pelo meu kalinka fiquem a saber as atrocidades que são cometidas, e infelizmente...NINGUÉM FAZ NADA.
BEIJOKAS.

The City Lights disse...

Olá mocho.....velhos tempos!!!!Que folia , que frenezim todas as 5ª/6ª e sábados....e por vezes aos domingos..... mas sabes que mais...faz parte da nossa (pseudo) rebeldia!
"Born to be wild...."
;)

Uma beijoca lindo

Wakewinha disse...

Eu não fiz parte dessa realidade, mas gostei tanto da tua descrição, que me fizeste parecer que eu revivi algo que nunca cheguei a viver! Consegui fazer-me entender? =$

Um enorme beijinho (com um enorme pedido de desculpa por andar afastada da blogosfera, mas os compromissos profissionais não têm dado tempo para muitas mais coisas)*

xá-das-5 disse...

Ehehhe.
Abri o Jukebox, depois das matinés Rockhaus, os Lábios de Vinho (1ª cena do Hernani M), as Noites Longas e tanta outra coisa.
Ah, fui LJ e depois DJ no Ocarina.
E esta?
Mas mocho, a minha música tinha menos 5 anos :)
Mas bom bom era fazer uma data de kmns de combóio para ir ao Monte Estoril às matinés do Picapau!!!!! E sabem quem era o DJ? O todo famoso Luis Leite.
Isso sim, são memórias, ehehehehehe.

Su disse...

fez-me bem este relembrar
..perdi-me no tempo...no meu....
jocas maradas

Leonor disse...

gosto mais deste mocho escritor do que daquele mocho que reclama dos atendimentos (foto sport). ha gente que tem o trebalho que pode ter e nao aquele que quer. dáí... dá um desconto. estas fotos estão formidaveis.

abraço da leonoreta

Blog Widget by LinkWithin